E-book intermediador

4 dicas para escolher o intermediador de pagamento do e-commerce

4 dicas para escolher o intermediador de pagamento do e-commerce

O intermediador de pagamento evita que uma loja virtual assine um contrato burocrático com empresas de cartão de crédito, bancos ou instituições bancárias, em geral. Essa é a principal vantagem dessa ferramenta com relação à opções similares, como gateways de pagamento.

Mas o que considerar para escolher o intermediador de pagamento? Neste post, vamos mostrar quais aspectos devem ser analisados por um e-commerce ao tomar essa decisão. Confira nossas considerações:

O que é o intermediador de pagamento?

baixe nosso e-book

O intermediador de pagamento é um sistema que oferece uma ferramenta online para processamento de vendas. Dessa forma, o processo é automatizado e os pontos riscos da operação, como aprovação de vendas e análise de risco da compra, são absorvidos pelo intermediador de pagamento.

O sistema forma uma ponte que liga o e-commerce ao cliente. Ao concluir a transação online, o intermediador processa o pagamento e libera o dinheiro apenas quando a loja realiza a entrega.

Portanto, a diferença entre um gateway de pagamento e o intermediador é que o gateway é uma ferramenta que conecta diretamente a loja às operadoras de cartões e instituições bancárias. O uso desse sistema requer contratos com cada bandeira envolvida, como Mastercard, Visa e Cielo. Além disso, o gateway não se responsabiliza pela análise de risco da transação.

Por isso, em geral, recomenda-se que lojas pequenas e médias optem por escolher o intermediador de pagamento, enquanto e-commerces que atuam em grande escala são capazes de gerir gateways de pagamento, por disporem de equipes maiores e de conhecimento técnico para lidar com contratos mais burocráticos de maneira eficiente.

Quais as vantagens de um intermediador de pagamento?

Várias vantagens estão envolvidas no uso de um intermediador de pagamento. Em geral, os sistemas de intermediação podem ser facilmente integrados a plataformas de e-commerce como a Magento e o Woocommerce.

Além disso, lojas que não realizam a conferência de dados dos clientes ao aceitar pagamento com de cartões de crédito, por exemplo, ficam sujeitas a processar um voucher e enviar o produto para uma compra que posteriormente é estornada por se tratar de compra com cartão roubado, por exemplo.

Esse prejuízo pode ter um impacto significativo no caixa da loja e o uso de intermediadores de pagamento blinda a loja contra esse problema: o intermediador é totalmente responsável por analisar o risco de cada transação e pelo prejuízo potencial gerado.

Dessa forma, as operações de vendas tornam-se mais seguras para a loja online porque a responsabilidade de coleta dos dados do comprador e análise das informações dos cartões de crédito passa a ser dos intermediadores de pagamento, que têm uma estrutura de segurança superior à que uma loja pequena ou média teria condições de desenvolver.

Como atrativo para os clientes, o intermediador também pode oferecer condições de parcelamento com prazo estendido, aumentando o prazo padrão oferecido por cartões de crédito. Dependendo do público-alvo e do valor da compra, essa condição é um diferencial importante.

Como escolher o intermediador de pagamento?

Entre os principais fatores a serem elencados para escolha do intermediador de pagamento, estão a página de checkout, o valor das taxa praticadas, o nível de comodidade oferecido e a segurança da ferramenta.

1. Página de checkout

Muitas lojas online direcionam o comprador para outro site para finalizar a compra. Essa etapa gera desconfiança em muitos consumidores. Devido a esse redirecionamento, eles podem desistir da compra, abandonando o carrinho cheio de itens.

Por isso, o abandono de carrinho é um indicador importante para analisar a eficiência da sua página de checkout. A função do intermediador de pagamento, nesse sentido, é oferecer uma página de checkout personalizada, integrada com o layout da sua loja.

Se o índice de abandono de carrinho do seu e-commerce não é satisfatório, a contratação de um intermediador de pagamento pode contribuir para melhorar a conversão de compras da sua loja.

2. Valores das taxas

É essencial verificar, com antecedência, as taxas praticadas pelo intermediador de pagamento. É possível que você receba ofertas de adesão gratuita, por exemplo.

Também é comum que intermediadores façam o adiantamento do pagamento de compras parceladas para incrementar o fluxo de caixa da loja. Nesse caso, é importante conhecer as taxas cobradas para adiantamento de pagamento.

O fluxo de caixa é um ponto muito importante para ter uma loja financeiramente saudável, portanto, esse mecanismo é fundamental caso o seu negócio ainda não tenha atingido um patamar de equilíbrio no caixa.

3. Nível de comodidade

Uma loja online deve manter o seu foco no seu ponto principal: as vendas. Por isso, a contratação do intermediador de pagamento é um fator que oferece comodidade ao lojista.

Em vez de gerenciar contratos e relacionamentos com diversas instituições financeiras, o intermediador assume esse papel e libera o e-commerce para investir a sua energia em estratégias de marketing e melhoria de desempenho.

4. Grau de segurança

Os intermediadores de segurança estão cada vez mais populares entre os consumidores brasileiros. A cada dia, surgem novas ameaças de fraude e apropriação de dados na internet. Por isso, um sistema que oferece um upgrade na segurança da transação agrega valor à compra.

É importante sempre analisar a confiabilidade de sistemas de pagamento junto às plataformas como Reclame Aqui, Procon e E-bit, que são consultadas também pelos consumidores. Uma boa reputação nesses sites contribui para a impressão de segurança no ambiente online.

Além disso, para escolher intermediador de segurança, analise se ele oferece:

  • taxas flexíveis para atender a todos os tipos e modelos de negócio dos mais variados segmentos;
  • transparência financeira por meio da conferência das operações da loja em um painel atualizado automaticamente;
  • reprocessamento de vendas com a oferta de novos métodos de pagamento caso a compra não seja autorizada;
  • possibilidade de transferir as tarifas operacionais para o cliente ou absorvê-las internamente;
  • oferta de carrinho compartilhado, possibilitando ao cliente comprar itens de vendedores distintos em um único pedido, com a facilidade de realizar apenas um pagamento;
  • checkout transparente, realizado em uma única página;
  • grande quantidade de métodos de pagamento para que o cliente escolha a mais conveniente.

Depois de ler nosso post, aprendeu como escolher o intermediador de pagamento? Esse mecanismo pode contribuir para expandir o desempenho da sua loja online. Se você ainda tem alguma dúvida ou quer conhecer melhor o sistema, entre em contato conosco e aprenda tudo sobre intermediadores de pagamento!

100.000 pessoas não podem estar enganadas Deixe seu email e receba conteúdos antes de todo mundo