E-book intermediador
Descubra o que é cross docking e quais suas principais vantagens

Descubra o que é cross docking e quais suas principais vantagens

Com o atual volume de concorrência no e-commerce brasileiro, é preciso otimizar cada etapa do processo de venda. Uma maneira de fazer isso é o cross docking.

Além de reduzir os custos com estoque e armazenamento é possível agilizar o processo de entrega. Isso pode ser um diferencial em seu e-commerce, em um cenário em que produtos, preços e formas de pagamentos são iguais.

Neste artigo, vamos explorar essa metodologia e os benefícios para seu e-commerce. Boa leitura!

O que é cross docking?

Em uma tradução literal do inglês para o português, cross docking significa “cruzando docas”, fazendo referência ao sistema em que os produtos desembarcados em galpões, ou Centro de Distribuição (CD), das docas (lugar ou plataforma onde se faz o desembarque) eram colocados direto em uma esteira automática, para serem embarcados em veículos prontos para partirem, separados por região de entrega.

Ou seja, cross docking é um procedimento logístico em que, o produto comprado pelo cliente, é despachado para um centro de distribuição ou galpão. Nesse local o produto é enviado para o consumidor final imediatamente, realizando-se assim uma redistribuição rápida.

passos do cross docking

Esse procedimento era muito adotado por e-commerce, porque dispensa um local grande para armazenamento de estoque. Porem, muitas lojas físicas já estão fazendo uso dessa metodologia, e tirando proveito dos benefícios.

Quais as características do cross docking

São três as principais características desse processo logístico:

  1. O período de permanência do produto, durante o cross docking, no armazém deve ser o menor possível. Segundo dados de especialistas no assunto, esse período deve ser inferior a 24h. Embora em alguns casos, as taxas de estocagem só são cobradas após uma permanência de três dias.
  2. Assim que o produto chega, deve ser encaminhado imediatamente para o veículo de entrega, ou deve ficar em uma área de picking. Isso porque a estocagem não pode ser realizada nesse processo, uma vez que o estoque não faz parte desse processo.
  3. O trabalho de gerenciamento do processo deve ser muito eficiente, para organizar as trocas de produtos, e também fazer uma boa gestão das pessoas envolvidas no processo. O gestor também deve levar em conta o tempo em que a carga chegará ao operador de cross docking (OCD).  

Quais vantagens do cross docking?

Fluxograma das vantagens do cross docking

São inúmeros os benefícios dessa prática, dependendo do seu ramo de atuação. Entre os principais benefícios para as lojas virtuais, podemos estão:

  • Aumento da velocidade de fluxo de produtos e rotatividade do estoque.
  • Redução dos custos de manuseio.
  • Consolidação mais eficiente dos produtos.
  • Pode ser aplicado às estratégias de Just-In-Time.
  • Melhora utilização e investimento dos recursos.
  • Diminui drasticamente a necessidade de espaço.
  • Previne danos aos produtos causados por manuseio.
  • Diminui furtos e compressão dos produtos.
  • Reduz obsolescência (e problemas com prazo de validade) dos produtos.
  • Diminui o uso de papéis associados ao processamento de estoque.

Desvantagens do Cross-docking

Mais como sabemos nem tudo são flores, o cross docking também tem alguns pontos que podem ser considerados desvantagens por serem complexos, ou exigirem adequações, são eles:

  • Determinar quais os produtos candidatos, isso tem uma certa dificuldade.
  • A sincronização entre fornecedores e demanda.
  • Objeções com fornecedores; pequena ou nenhuma credibilidade nos fornecedores; relutância dos fornecedores em aderir ao sistema.
  • Sindicatos temem o aumento no desemprego.
  • Não possuir um local adequado ou ROI pequeno, o que não justifica a compra, reforma ou construção de um CD apropriado.
  • Necessidade de sistemas de informações adequados.
  • Como não há estoque de segurança, aparece o medo de ocorrer stock-out.

Cross docking no Brasil, funciona?

A primeira vista, o cross docking parece ser a solução logística perfeita para e-commerces. Porém, como ela exige integração entre vários setores e possui alguns pontos mais complexos, acaba demandando uma forte mudança na maneira como o estoque e sistemas de compra e venda são gerenciados.

Esse é o ponto onde a maioria dos proprietários de lojas virtuais, no Brasil, acabam falhando. Um dos principais motivos é a falta de conhecimento e planejamento das ações. Isso pode colocar tudo a perder, e as vantagens são praticamente engolidas pelas desvantagens.

Além das desvantagens que falamos mais acima, temos alguns pontos que podem embarreirar esse processo no Brasil. Entre eles, podemos destacar:

  • A integração do sistema da loja com o dos fornecedores, pode gerar altos custos;
  • Má gestão dos processos por parte dos fornecedores, pode gerar a quebra de estoque, com isso prejudicar o consumidor final;
  • Pode-se ter um aumento no prazo de entrega final, dependendo do tempo que demora para a mercadoria chegar ao CD;
  • Como serão realizadas várias entregas em um mês, diferente do sistema convencional, em que o fornecedor envia uma carga com vários itens, pode gerar aumento nos custos com frete;
  • Perda no poder de barganha com fornecedores, pois, o volume dos itens comprados caem muito, quando comparado ao sistema convencional.

Concluindo, o cross docking pode ser muito vantajoso quando bem aplicado, mas também, pode ser muito prejudicial para saúde do seu e-commerce, caso não haja uma mudança de pensamento. Além da necessidade de uma perfeita integração e sintonia entre fabricantes, distribuidores, lojistas e empresas de logística.

Então, antes de adotar esse modelo de sistema de logística, aconselho você se perguntar:

  • O prazo de entrega é importante no seu seguimento?
  • As margens suportam um aumento no custo de envio?
  • Os fornecedores serão parceiros ou eu serei um comprador apenas?

Como aplicar o cross docking?

Bom, feitas as considerações, se você quiser implementar esse processo em seu negócio, você precisa se planejar e seguir esses 4 passos, propostos pelo Warehouse Education and Research Council.

Primeira Fase: Negociação

  • Identifique produtos e fornecedores “candidatos” ao Cross-Docking;
  • Identifique pontos fortes e fracos no sistema de logística atual: operação, instalações e equipamentos, sistemas de informação, clientes e transportes;
  • Pensar em soluções preliminares para possíveis falhas e soluções;
  • Conversar com fornecedores e alinhar os processo e tarefas do Cross-Docking.

Segunda Fase: Planejamento dos Fluxos

  • Determinar os fluxos do Cross-Docking.
  • Fazer análises econômicas.
  • Escolher a melhor opção das elencadas.

Terceira Fase: Justificativa Econômica

  • Gerar modelos de custos integrados e determinar ROI, retorno sobre investimento.
  • Calcule os custos dos produtos e definir margem de lucro.
  • Planejar custos e economias projetados e grau de compartilhamento durante o processo.

Quarta Fase: Implementação

  • Criar plano de implementação.
  • Colocar em prática um programa-piloto (teste).
  • Consolidar um sistema amplo de cross-docking.
  • Definir procedimentos e padrões para monitoramento e expansão do programa.

Conclusão

O setor que brasileiro que mais utiliza o cross docking, sem dúvidas é o e-commerce. Como vimos essa metodologia quando mal aplicada, pode se tornar um vilão e não um aliado.

Por isso, vou citar mais alguns pontos a se considerar antes de tomar a decisão, e adotar esse processo.

  • Avalie sua curva ABC e identifique os itens com potencial para esse método, também fornecedores que podem ser parceiros. Caso o item escolhido, pertença à curva A, as chances de economizar são grandes, mas deve-se preocupar mais com os detalhes, porque essa curva deve representar 70% das vendas;
  • Implementar no site, várias opções de envio, como express, rápida e normal. Quando escolhida a opção normal, você usaria o cross docking.
  • Escolha fornecedores com confiáveis, para que não faltem produtos, e que você tenha um bom relacionamento, porque caso haja algum problema, será mais fácil resolver.
  • Revisar todos os processos internos, e otimizar para que não haja falhas, o cross docking flua normalmente.

Como dos principais fatores diferenciais no e-commerce é uma entrega rápida e de qualidade, o uso do cross docking, embora atrativo, deve ser adotado com cautela e muito planejamento.

Espero ter ajudado com essas informações, e para você ficar por dentro de todas as novidades em primeira mão, assine nossa newsletter.

Receba os melhores conteúdos sobre formas de pagamento online!
Sobre o autor
Thadeu Arias
Thadeu Arias Growth Hacker | Designer Gráfico | SEO and Marketing Strategy, sua passagem por agências de publicidade, trouxeram bagagem em performance e conversão para e-commerce. Apaixonado por estudo, e aficionado por testes e analise de resultados. Acredita no data driven como acelerador de crescimento.