E-book intermediador
Saiba como manter um fluxo de caixa saudável em 7 passos

Saiba como manter um fluxo de caixa saudável em 7 passos

Independentemente do modelo de negócio e nicho de mercado, o fluxo de caixa é o pulmão de qualquer empresa. Quando não há atenção para esse aspecto, a instituição perde o controle sobre a área financeira — e as consequências podem ser desastrosas.

Felizmente, existem vários cuidados que podem ser tomados para evitar que a empresa passe por apertos. Com as ações certas, é possível gerenciar o financeiro de forma adequada e garantir bons resultados.

Para ajudar nessa tarefa, vamos mostrar como você pode manter um fluxo de caixa saudável em 7 passos. Se você deseja ter um negócio rentável e equilibrado, confira as dicas a seguir!

1. Tenha um controle de fluxo de caixa

Essa primeira dica parece óbvia, certo? Bom, nem tanto. Muitos empresários e gestores ainda torcem para ter um fluxo de caixa saudável sem ao menos fazer um controle das entradas e saídas de dinheiro — que é justamente a base para qualquer outra ação.

Portanto, antes de pensar em técnicas mirabolantes ou soluções incomuns, certifique-se de que você está fazendo o básico. Tenha uma planilha com todas as entradas e saídas financeiras do seu negócio. Classifique tudo em categorias, agrupando os gastos por similaridade e discriminando cada recebimento.

Tendo esse controle em mãos, você conhecerá a real situação do fluxo de caixa da empresa. Então, a partir dessa realidade atual, poderá adotar novas atitudes para criar o cenário futuro que deseja.

2. Conte com um intermediador de pagamentos

Ao contar com um intermediador de pagamentos, fica mais fácil realizar um controle eficiente das entradas de dinheiro.

Isso porque um bom software ou plataforma de intermediação de pagamentos registra, de forma automática, todos os detalhes sobre cada pagamento que entra. Dessa maneira, você não corre o risco de deixar nenhuma informação passar.

Além disso, ao utilizar um intermediador de pagamentos robusto, essa confiança se reflete no público — as pessoas se sentirão mais à vontade para comprar e fechar negócio, realizando o pagamento sem qualquer tipo de receio.

Assim, mais vendas são concretizadas e mais dinheiro é injetado no caixa, favorecendo um fluxo de caixa saudável.

3. Atualize seu fluxo de caixa diariamente

“Atualizar o fluxo de caixa todos os dias? Que exagero!” — Esse é o pensamento de muitos gestores. Mas acredite: uma visão como essa pode ser extremamente prejudicial ao negócio, fazendo com que você opere com base em incertezas.

Um acompanhamento diário da movimentação do caixa ajuda a evitar surpresas indesejadas. Quando você atualiza as suas entradas e saídas de dinheiro todos os dias, fica muito mais fácil se planejar para o futuro. Somado a isso, torna-se possível perceber qualquer falha ou erro que deva ser corrigido imediatamente.

Imagine ficar sem dinheiro no caixa e só se dar conta disso na hora de pagar um fornecedor. Constrangedor, não é mesmo? Ao atualizar o fluxo de caixa diariamente, você estará sempre alinhado com a realidade, podendo tomar atitudes para reverter as situações desfavoráveis antes que elas saiam do controle.

4. Trabalhe com fluxo de caixa projetado

O fluxo de caixa projetado leva em conta o futuro provável da sua empresa. Nele, você pode inserir os valores que espera gastar e receber. Nas saídas, por exemplo, podem ser previstos os pagamentos a fornecedores que serão feitos nos meses seguintes, assim como os custos fixos que se repetem mês a mês.

Já nas entradas, você pode projetar um valor estimado de faturamento, os recebimentos de vendas a prazo e até mesmo juros de investimentos que tenham sido feitos, caso exista uma expectativa desse dinheiro voltar ao caixa.

O fluxo de caixa projetado fará com que você esteja preparado para os diferentes momentos do ciclo de crescimento da empresa. Com isso, será possível se organizar e planejar possíveis cortes de gastos ou investimentos em momentos estratégicos.

5. Não ignore os ciclos do seu negócio

Uma empresa de sucesso é aquela que se adapta às mudanças externas e internas, respeitando cada fase do seu ciclo de crescimento e aprendizado. Da mesma forma, um bom gestor é aquele que reconhece o momento atual da instituição, sem se iludir com uma realidade diferente da existente.

Há épocas de crescimento nas vendas, expansão dos negócios, contratações de funcionários e conquistas de novos clientes — assim como também há épocas de replanejamento, cortes de despesas, aquisições de empréstimos e planejamento de um novo ciclo.

Ao observar e identificar cada fase, você pode tomar as medidas necessárias para manter o fluxo de caixa equilibrado e para levantar os recursos que precisa para continuar crescendo no longo prazo.

6. Controle seu capital de giro

Infelizmente, existem muitos pontos que podem comprometer o fluxo de caixa de uma empresa. Alguns deles são:

  • má gestão de estoque;
  • dinheiro parado em caixa (sem render juros);
  • atrasos nos recebimentos de clientes;
  • queda repentina nas vendas;
  • altas taxas de inadimplência.

Por todos os motivos acima, é fundamental que a empresa tenha um capital de giro. Ou seja, uma reserva financeira capaz de fazer o negócio rodar e continuar operando, mesmo quando os recebimentos estiverem abaixo do esperado.

Há empresas que vendem muito mais em um mês do que no outro, por exemplo. Inclusive, dependendo do modelo de negócio ou da área de atuação, isso pode ser considerado normal. Por isso, ao se organizar e contar com um capital de giro, você garante que cumprirá com suas obrigações, pagando funcionários e fornecedores.

7. Tome cuidado ao dar crédito

Facilitar o pagamento pelos seus produtos e serviços pode ser extremamente positivo, gerando aumentos nas vendas. Contudo, também é importante encontrar um equilíbrio. Algumas empresas dão crédito demais aos seus clientes e acabam prejudicando o fluxo de caixa.

Algumas das consequências negativas do alto crédito ou de condições de pagamento muito facilitadas são:

  • aumento da inadimplência;
  • demora para que o dinheiro entre no caixa da empresa;
  • dependência maior do capital de giro;
  • queda de qualidade na prestação do serviço, devido ao aumento da demanda;
  • problemas de estoque por causa da alta saída de produtos.

Por outro lado, quando as exigências são altas demais, também existem desafios, como a redução das vendas e do número de clientes. Sendo assim, o ideal é sempre avaliar e buscar um equilíbrio entre as duas situações. Assim, torna-se possível manter um fluxo de caixa equilibrado, ao mesmo tempo em que o negócio continua expandindo.

Com os sete passos transmitidos neste artigo, você pode começar hoje mesmo a cuidar do seu fluxo de caixa e a garantir o sustento do seu negócio.

Como vimos, existem diversas armadilhas e cuidados a serem tomados. Ainda assim, desde que exista observação constante e determinação de fazer o melhor a cada dia, sempre é possível conquistar ótimos resultados. Gostou deste artigo? Então, compartilhe-o nas suas redes sociais e divida essas táticas com seus amigos e colegas, ou saiba mais algumas dicas para aperfeiçoar seu fluxo de caixa com este artigo.

Receba os melhores conteúdos sobre formas de pagamento online!
Sobre o autor
Marco Galvão
Marco Galvão Apaixonado por Marketing, formado em Administração, Pós-Graduando em Marketing e Gestão Estratégica de Negócios. Hoje também pesquisador e amante de assuntos relacionados a pagamentos online. Como Hobbies gosto de fotografar, ouvir música, viajar e cantar (mesmo sem saber) ! Bom tê-lo aqui comigo :)