E-book intermediador
Pagamento recorrente: quais são as vantagens desse modelo?

Pagamento recorrente: quais são as vantagens desse modelo?

Garantir boas opções de compra para os clientes devem ser uma preocupação constante das empresas, independentemente do seu ramo de atuação ou porte. Com esse pensamento, muitos gestores têm procurado ir além dos tradicionais modelos à vista e parcelado, dando espaço, assim, para o pagamento recorrente.

Curioso para entender como esse modelo funciona e quais são os principais benefícios gerados por sua adoção? Então confira agora mesmo o post de hoje!

Entenda o pagamento recorrente

Também conhecido como assinatura, é bem possível que você já esteja bastante familiarizado com o conceito do pagamento recorrente se conhece serviços como Spotify e Netflix. A lógica é simples: o cliente assina um contrato e se compromete a fazer pagamentos mensais em troca de um produto ou serviço.

Por mais que o modelo seja mais conhecido no mercado de serviços, também vem sendo usado para a venda de produtos. Atualmente já existem clubes de assinaturas de livros, vinhos, cervejas especiais e até para a compra de cosméticos! O pagamento recorrente pode, portanto, ser uma ótima opção para diversos nichos.

Diferencie o modelo do parcelamento

Uma compra parcelada corresponde a uma única taxa que é dividida em meses, de acordo com a conveniência do cliente. Por isso, mesmo que o produto ou serviço já tenha sido entregue, o comprador deve continuar quitando suas parcelas até saldar completamente a dívida.

Já o pagamento recorrente pressupõe entregas também recorrentes. Assim, ao fazer a assinatura de um serviço, o comprador continua recebendo aquilo que comprou de forma regular. A entrega de serviços ou produtos só cessa ao fim do contrato, ou quando uma das partes decide rescindi-lo. Aliás, nesse caso, a rescisão pode até resultar no pagamento de multas!

Facilite a compra dos clientes

Uma das grandes vantagens do pagamento recorrente é a comodidade para os clientes. Você consegue se lembrar de quando tinha que ir a uma locadora e pagar por cada filme alugado?

Pois, a Netflix foi uma das primeiras a notar como esse processo era moroso e burocrático. A partir daí, decidiu: qualquer assinante teria acesso a seu catálogo, podendo assim ver quantos filmes quisesse.

Nesse modelo, a cobrança é realizada de forma automática, em geral, no cartão de crédito ou no débito automático. Nessa dinâmica, a preocupação do comprador em perder datas de vencimento e acabar ficando temporariamente sem o serviço prestado simplesmente deixa de existir.

Controle as receitas e a demanda

Uma empresa que sabe quantos assinantes tem consegue fazer uma previsão bem mais acurada de suas receitas mensais. Essa é uma vantagem e tanto para quem deseja aprimorar a gestão orçamentária do negócio, já que é possível fazer estimativas precisas de custos e lucro por produtos e serviços.

Adotando esse modelo, a empresa também consegue dimensionar mais facilmente o tamanho da demanda de que precisa dar conta por período. Assim, em meses com grande entrada de assinantes, sabe que deve aumentar os investimentos para garantir entregas sem problemas. Por outro lado, momentos de mais calmaria permitem uma diminuição controlada nos investimentos de rotina.

Ofereça uma boa dose de flexibilidade

Empresas que apostam em pagamentos recorrentes não ficam dependentes de um ou outro meio de pagamento. Afinal, é possível oferecer assinaturas que serão pagas tanto via boleto bancário como por cartão de crédito ou débito automático — aliás, as 2 últimas opções até ajudam os clientes a não perderem as datas de vencimento, ficando inadimplentes.

Vale lembrar que, nesse caso, quando o comprador opta pelo cartão de crédito, o impacto no seu limite não chega a ser um problema. Imagine um cliente que parcela uma compra de mil reais no modo tradicional: ele ficará sem acesso a esse valor no cartão até que pague todas as parcelas. No pagamento recorrente, no entanto, o mesmo valor em um contrato de 10 meses só exige um limite de 100 reais por mês!

Diminua sua taxa de inadimplência

Por mais que as formas de pagamento sejam bastante variadas, o cartão de crédito costuma ser a opção mais popular para quem usa o pagamento recorrente. Como a cobrança é automática, os índices de inadimplência são baixíssimos, garantindo assim uma boa estabilidade nos níveis de entrada.

Além do mais, como falamos no tópico anterior, o limite de crédito do comprador não é muito afetado, o que diminui problemas de cartão com limite estourado.

De toda forma, por menores que sejam as chances, existem sim meios de diminuir a inadimplência com esse modelo. É possível enviar e-mails perto da data de pagamento para quem optou pelo boleto, por exemplo, afastando a possibilidade de esquecimentos.

Além disso, assim que o sistema de pagamento detecta um atraso, avisa automaticamente o assinante para que consiga regularizar sua situação com rapidez.

Abra espaço para fidelizar e crescer

Pode acreditar: a comodidade do pagamento recorrente conquista clientes. Afinal, eles recebem um bom serviço mensal por um valor justo, que não afeta de forma significativa seu orçamento mensal. Aliás, os próprios contratos (que podem ser semestrais ou anuais) incentivam o contato intermitente entre empresa e comprador.

Negócios que adotam o pagamento recorrente também conseguem aumentar sua base de assinantes de forma constante. É possível, assim, angariar mais clientes a cada mês sem abrir mão dos antigos! Esse crescimento ininterrupto é importante para que a empresa evolua de maneira sustentável, subindo um degrau de cada vez e aprimorando sua própria infraestrutura de forma constante.

Elimine burocracias dos processos

A essa altura, você já deve ter notado: o pagamento recorrente é mais efetivo com um bom apoio tecnológico. E já existem sistemas digitais que gerenciam as assinaturas tanto no que se refere à emissão de avisos de pagamento como à cobrança no cartão de crédito ou débito automático.

Com esse tipo de recurso, ainda é possível visualizar rapidamente a previsão de receitas e recolher dados importantes sobre o perfil dos assinantes, além de até fazer o cálculo (e o devido pagamento) de impostos e tributos de cada transação.

Um bom sistema de pagamentos recorrentes ainda consegue realizar tarefas repetitivas e morosas de forma automática — como a emissão das Notas Fiscais Eletrônicas. Com o próprio software realizando a tarefa de forma rápida e livre da possibilidade de erros humanos, a empresa não precisa repetir o processo de forma manual a cada mês, com cada cliente.

Viu como o pagamento recorrente pode ser uma mão na roda, seja em uma empresa de serviços ou que vende produtos? E se você faz parte do universo e-commerce, ainda precisa conhecer outras ferramentas e estratégias que certamente o ajudarão a alcançar o sucesso! Para ficar por dentro das novidades, curta nossa página no Facebook!

Receba os melhores conteúdos sobre formas de pagamento online!
Sobre o autor
Thadeu Arias
Thadeu Arias Designer Gráfico e Web, sua passagem por agências de publicidade, como Diretor de Arte e Criação, trouxeram experiência em Fotografia, Cinegrafia e Motion Graphics. Acredita que através do Design, pode ajudar a melhor o dia a dias das pessoas. Estuda estratégias de SEO e Growth Hacking, especialista em Inbound Marketing e Produção de Conteúdo para Web 2.0.