E-book intermediador

Pagamento virtual: como passar segurança ao consumidor?

Pagamento virtual: como passar segurança ao consumidor?

Hoje em dia, os clientes já sabem que comprar em um e-commerce pode sair significativamente mais barato, além de ser bem mais simples e vantajoso que fazer uma compra convencional. No entanto, por mais que saibam também que fazer um pagamento virtual não é um processo de outro mundo, os consumidores ainda não abandonaram completamente o medo de ter que lidar com determinados problemas, como desvio de dados ou de dinheiro. Por essas e outras, a exigência para que os e-commerces ofereçam segurança cresce cada vez mais.

Pensando nisso, resolvemos produzir um post explicando o que sua loja virtual deve fazer para dar tranquilidade aos compradores, manter sua reputação e atrair cada vez mais clientes. Ficou interessado? Então continue lendo!

Entenda o pagamento virtual

Antes de falarmos especificamente sobre como garantir a sensação de segurança para o comprador em relação ao pagamento virtual, precisamos explicar basicamente como funcionam as transações online. É simples: o processo pode acontecer de maneira direta ou indireta.

Direta

Nesse caso, o comprador deposita ou transfere o pagamento diretamente para o lojista. No entanto, essa opção sem intermediários vem caindo em desuso, pois, pode ser alvo fácil de fraudes ou erros.

Indireta

Por outro lado, o uso de intermediadores de pagamento tem se tornado cada vez mais comum. Nesse modelo, o comprador efetua a compra e o pagamento é feito para um terceiro. O valor só é liberado para a conta do lojista quando a entrega do produto é confirmada ou o serviço é concluído. Assim, quem paga sabe que não terá prejuízo, uma vez que pode receber seu dinheiro de volta caso a transação não seja efetivada.

Use bons intermediadores

Como deu para perceber no nosso primeiro tópico, os intermediadores de pagamento são peças importantes para atestar a confiabilidade de um pagamento virtual, tranquilizando o comprador ao realizar qualquer transação. Vale lembrar que os intermediadores conseguem fazer uma análise de risco da negociação, verificando se está tudo dentro dos requisitos legais.

Além disso, as plataformas de intermediação de pagamentos oferecem uma série de opções de pagamento, incluindo diferentes bandeiras de cartão de crédito, débito em conta e boleto. Oferecendo mais opções para o cliente, maiores também se tornam as possibilidades de fechamento de vendas! O lojista também sai beneficiado por não precisar lidar com cada uma dessas alternativas individualmente.

Exiba certificados de segurança

Na prática, o grande risco de um pagamento virtual está na vulnerabilidade dos dados. Afinal, para completar uma transação, o cliente precisa dar informações sensíveis, como nome completo, endereço, CPF e números do cartão de crédito. E é claro que ele só vai disponibilizar esses dados se tiver certeza de que eles estarão protegidos!

Por isso, é importante que o site conte com um certificado digital — em especial algum do tipo SSL. A presença dessa camada a mais de segurança é facilmente identificável na barra de endereço, onde um cadeado passa a ser exibido ao lado da URL da loja virtual. Esse certificado garante que as informações inseridas no site são criptografadas, só acessíveis para servidores autorizados.

No entanto, você não só pode como deve dar maior visibilidade ao certificado do seu e-commerce! Para isso, vale a pena exibir os respectivos selos, peças gráficas parecidas com banners que ficam evidentes para que o comprador entenda rapidamente que seus dados estão seguros por ali.

Seja preciso na solicitação de dados

Engana-se quem pensa que apenas soluções tecnológicas podem dar a sensação de segurança necessária para que um cliente complete seu pagamento virtual. A própria maneira como sua loja solicita informações pode dar mais tranquilidade para o comprador, sabia? O mais importante aqui é só solicitar informações realmente importantes para a efetivação da transação, como nome completo, endereço de entrega, CPF e dados de pagamento.

Toda solicitação de dados deve ser explicada para que o comprador entenda sua necessidade e, caso você precise de informações extras, a explicação deve ser ainda mais clara. Também é importante que você reforce sempre que os dados inseridos na sua loja virtual estão protegidos, seja pelo uso de certificados digitais, pela escolha do intermediador de pagamento ou por qualquer outro recurso de segurança usado.

Controle os pagamentos recorrentes

A segurança do seu site deve ser evidente em cada transação, seja referente a um pagamento virtual isolado ou ao pagamento rotineiro por um serviço. É o caso, por exemplo, de empresas que usam o modelo SaaS (Software as a Service), que permite que o cliente faça uma espécie de assinatura, com pagamentos mensais, para receber um programa ou sistema que pode ser aproveitado de forma ininterrupta.

Nesses casos, é primordial usar um sistema para controlar os pagamentos recorrentes e oferecer opções seguras para a quitação das assinaturas. Softwares desse tipo contam com recursos para garantir o sigilo dos dados ao mesmo tempo em que podem oferecer mais opções de pagamento, como a emissão automática de boletos bancários, mês a mês, ou a cobrança em cartão de crédito.

O software ajuda a empresa a enviar as cobranças nos dias certos, oferece uma solução estável para o comprador e ainda ajuda o próprio lojista a gerenciar seus contratos, permitindo o uso de métricas para monitorar o desenvolvimento do negócio.

Mantenha os sistemas atualizados

Outra dica importante para garantir a segurança de pagamentos virtuais é bastante simples, mas, por incrível que pareça, é também repetidamente negligenciada: é preciso manter os sistemas de venda e da infraestrutura tecnológica da empresa sempre atualizados!

Afinal de contas, é comum que fornecedores e desenvolvedores dessas soluções continuem fazendo atualizações de segurança para fechar brechas que ainda não haviam sido identificadas ou, ainda, para inserir novas funcionalidades ou recursos de proteção de dados. Instalar essas atualizações no seu sistema é, portanto, garantia de que sua loja se manterá confiável de forma perene.

Cuide da sua reputação

Existe uma série de meios, pelo qual um cliente pode pesquisar sobre a lisura de uma loja física, indo desde os Procons até soluções vindas da internet, como em sites de avaliação de empresas — como o Reclame Aqui. Nesses locais, os clientes elencam problemas e buscam soluções ágeis por parte do negócio. É preciso, portanto, responder adequadamente a essas demandas, da maneira mais rápida, clara e eficiente possível.

Também pode ser uma boa contar com selos de garantia emitidos por terceiros. No Brasil, é comum o uso da certificação E-bit, serviço que usa dados de compra (como a possibilidade de o cliente retornar àquele e-commerce) para dar certificados de confiabilidade.

Esses certificados são traduzidos em medalhas: diamante, para uma avaliação excelente, ou bronze, para uma avaliação boa. São, portanto, boas maneiras de dar visibilidade à reputação da sua loja em relação à segurança de qualquer pagamento virtual.

Quer receber mais informações para garantir a boa reputação do seu e-commerce? Então siga nossos perfis nas redes sociais!

100.000 pessoas não podem estar enganadas Deixe seu email e receba conteúdos antes de todo mundo