E-book intermediador

Links patrocinados: como reduzir os investimentos com SEO

Links patrocinados são ótimas formas de alcançar mais público. Contudo, ter outras estratégias garante mais retorno e lucro a longo prazo!

Links patrocinados: como reduzir os investimentos com SEO

Se você é um empreendedor digital, provavelmente tem o desejo de obter muitas visitas para o seu site, a fim de tornar sua marca mais conhecida. Acertamos? E, se você já andou fazendo pesquisas sobre o assunto, deve ter visto em algum lugar que investir em links patrocinados é uma boa estratégia para alcançar o sucesso.

Essa informação não está errada. Contudo, uma pergunta a ser feita é: você tem obtido um bom retorno desse investimento? Anunciar no Google pode, realmente, alcançar muitos leads. Porém, é interessante contar com outras práticas para ter menos despesas e mais ganhos no negócio.

Existem maneiras de ficar bem posicionado sem precisar contar com a ajuda eterna de links patrocinados. Para auxiliar você nessa caminhada, preparamos algumas dicas de estratégias a serem seguidas. Continue a leitura e confira!

Entenda a importância do tráfego orgânico

É claro que o anúncio patrocinado tem seu lado positivo, pois ajuda a testar e otimizar produtos e a formar uma audiência de forma rápida, mas é o tráfego orgânico que garante mais lucratividade a longo prazo. Além do mais, segundo uma pesquisa realizada pela Moz, cerca de 71,33% das buscas resultam em um clique orgânico na página.

Otimize a descrição dos produtos

Pense na seguinte situação: você gasta uma grana por mês com anúncios no Google e até consegue gerar muito tráfego para o site do e-commerce. Contudo, quase ninguém se interessa pelos produtos dispostos. Então, perguntamos: será que tem adiantado esse investimento todo? Afinal, não basta apenas ter cliques e visitas para o lucro ser positivo, concorda?

Muitos comerciantes de internet não sabem o quanto é fundamental caprichar nas descrições dos produtos. Elas precisam ser completas e suprir qualquer incerteza que um consumidor venha a ter.

Isso porque compras feitas nesse modelo impedem o cliente de tocar no produto ou experimentá-lo. Assim, é seu dever oferecer dados completos: comunicar dimensões, materiais e cores. Para complementar, insira informações mais subjetivas, como o estilo da pessoa que poderá gostar do item, a textura ao tocá-lo etc.

Crie conteúdos interessantes

Mesmo que a sua ideia seja apenas vender mercadorias ou serviços, pense na possibilidade de ter um canal para publicar conteúdos do interesse do público, como um blog ou o YouTube.

Esse é um modo de atrair leads mais qualificados, ou seja, aquelas pessoas com mais probabilidade de comprar algo da marca. Para isso, é importante entender conceitos sobre funil de vendas e jornada de compras, por exemplo. Também é fundamental saber exatamente qual é o perfil da sua audiência.

A ideia é criar textos ou vídeos de temas relacionados ao que você vende e que possam responder às dúvidas, informar e instigar. Por exemplo, se o seu e-commerce vende livros, que tal criar resenhas atrativas sobre eles ou falar algumas curiosidades sobre o autor?

Invista em link building

A estratégia de link building é uma das mais efetivas quando pensamos em investir em tráfego orgânico. Ela consiste em inserir links ao longo dos conteúdos ou das páginas, que podem ser tanto internos quanto vindos de outro lugar. Ou seja, podem direcionar o visitante a outro conteúdo já existente no blog, assim como outras empresas podem direcionar os visitantes delas para o seu site.

Existem várias formas de conseguir essa segunda opção. Uma das mais comuns é o guest post, no qual trocamos conteúdos com o autor de outro blog: escrevemos um texto para ser publicado na página dele e vice versa. Isso ajuda a subir alguns pontos no rankeamento e a conquistar uma audiência maior.

Contudo, existem regras nesse caso. O site dessa outra empresa precisa ser confiável e não usar práticas abominadas pelo Google. Além disso, os públicos de ambos precisam ser parecidos.

Escolha palavras-chave long tail

Ao pesquisar sobre as melhores palavras-chave para serem usadas, por quais você costuma dar preferência? Se for sempre por aqueles termos pequenos, por contarem com um número maior de pesquisas, saiba que nem sempre essa é a estratégia ideal.

Isso porque ao mesmo tempo em que elas exibem uma quantidade surpreendente de buscas, a concorrência também é maior. Logicamente, torna-se bem mais difícil alcançar as primeiras posições com elas.

É por isso que ter palavra-chave de cauda longa é considerada uma prática inteligente. Elas até podem ser menos buscadas, mas o fato de você conseguir rankear bem com essa variação garante um bom tráfego orgânico.

Geralmente, elas vêm junto de termos do tipo “o que”, “como”, por que”. Por exemplo, em vez de usar apenas “livros de romance”, utilize também “quais os melhores livros de romance”. Para definir as de melhor potencial para o seu negócio, você pode usar ferramentas como o Planejador de Palavras-Chave do Google ou o Ubersuggest, ambas gratuitas.

Analise as informações obtidas dos anúncios

De que adianta investir em mídias pagas e não analisar os resultados obtidos por meio delas? Para que qualquer tipo de estratégia traga o sucesso que queremos, devemos monitorar os resultados gerados.

Em relação a links patrocinados no Google, ele mesmo disponibiliza uma ferramenta de análise — o Google Analytics — que mostra informações, em tempo real, como:

  • quantidade de cliques;
  • localização geográfica das pessoas;
  • taxa de rejeição;
  • horários de acesso etc.

Isso tudo dá insights tanto para que possamos otimizar nosso investimento em anúncios, quanto para outras ações visando o tráfego orgânico.

Não deixe as redes sociais de lado

Dependendo da audiência a ser atingida, estar em redes sociais é fundamental. Millennials e Geração Z são públicos muito ativos nesses ambientes, por já estarem acostumados com o mundo digitalizado. Assim, um perfil no Instagram, por exemplo, dá muitas oportunidades para atrair e fidelizar seguidores.

Esses ambientes são formas de transmitir a mensagem da empresa e manter uma conexão mais próxima com os clientes. Só para você ter uma ideia desse valor, a Opinion Box fez um levantamento sobre a influência do Instagram no processo de compras e descobriu que:

  • 50% dos entrevistados já haviam comprado algo que conheceram a partir dessa rede;
  • 83% segue alguma marca.

Tenha um CRM

Já afirmava Philip Kotler: fidelizar clientes é mais barato que conquistá-los. O que ele quis dizer com isso é que não basta apenas investir em estratégias para alcançar cada vez mais pessoas. O principal é entender quais são os leads mais qualificados, influenciá-los na conversão e, depois da compra, mantê-los leais.

Para isso, uma boa ferramenta é um CRM (Customer Relationship Management), que ajuda a entender melhor o perfil da audiência, como preferências, problemas, idade e localização geográfica, entre outros. Saber com quem você lida é essencial para obter êxito em qualquer prática.

Finalizando este artigo, o que percebemos é que muitos empreendedores digitais ainda se perguntam qual é a melhor opção entre tráfego pago e tráfego orgânico. O ideal é integrar essas duas estratégias: links patrocinados conquistam muitos visitantes, mas estratégias de otimizar a busca orgânica e conquistar a lealdade garantem um sucesso mais estável.

Gostou do artigo? Então, aproveite para conhecer algumas estratégias avançadas de SEO para seu e-commerce!

100.000 pessoas não podem estar enganadas Deixe seu email e receba conteúdos antes de todo mundo