E-book intermediador

Ataque hacker: meus pagamentos estão realmente seguros?

Ataque hacker: meus pagamentos estão realmente seguros?

Você entende qual é a importância de um meio de pagamento bem preparado para enfrentar um ataque hacker? Sabe como sua empresa pode garantir a segurança dos seus dados e dos seus clientes? Hoje, vamos discutir um pouco sobre o assunto para ajudá-lo a tornar suas transações financeiras mais confiáveis.

O surgimento de meios de pagamento online facilitou muito a vida de empresários que querem trabalhar no mundo virtual. A oferta de serviços e cobranças recorrentes nos negócios ou mesmo transações mais pontuais se beneficiam dessa tecnologia.

Mas junto a todas as vantagens em produtividade e eficiência que essa forma de operação trouxe para o mercado, também surgiu a preocupação com a segurança. Confira!

Importância da escolha de um meio de pagamento seguro

Para negócios que usam a recorrência como modelo de cobrança, a contratação de uma plataforma que gerencie essas transações é uma vantagem e uma obrigação. Geralmente, as principais coisas que diretores e empresários buscam são melhores condições e taxas, eficiência da solução e facilidade de uso.

Mas um aspecto importantíssimo dessa pesquisa muitas vezes fica em segundo plano — um erro comum e, ao mesmo tempo, muito perigoso. Na preocupação em encontrar o melhor contrato, a segurança do meio de pagamento online é negligenciada.

Com a transformação digital se popularizando no mercado, aumentou também o número de criminosos que buscam uma brecha para roubar, comprometer ou sequestrar dados sensíveis. Hoje, os mais visados são informações bancárias de clientes. Além disso, há casos de interceptação de transações monetárias, exatamente o tipo de operação rotineira em um modelo de recorrência.

E é por isso que a escolha de um meio de pagamento está no centro dessa busca por segurança. O fornecedor certo, que se adéque ao seu sistema e ofereça tecnologia de ponta na gestão financeira, é a resposta mais efetiva para desencorajar um ataque hacker.

Entre tantos crimes virtuais acontecendo diariamente, o melhor que você pode fazer pela sua empresa é não transformar uma economia em um grande prejuízo no futuro.

Dicas para garantir mais segurança no seu negócio

Mas como um empresário ou diretor de uma empresa pode contribuir para a segurança tecnológica do negócio? Esse fator depende de como é feita a escolha dos serviços que vão suportar a operação e como eles se integram no dia a dia de um modelo recorrente de cobrança.

Veja algumas dicas que podem ajudar você a começar sua pesquisa e garantir a proteção do seu empreendimento.

Trabalhe com gateways e intermediadores de pagamento

As duas ferramentas oferecem várias vantagens para consumidores e lojistas na hora do pagamento, mas um dos maiores benefícios é a diminuição de riscos e fraudes vindos de ataques hackers.

O gateway faz a transmissão dos dados dos clientes aos bancos. O sistema entra em contato com a agência bancária a fim de verificar a existência de fundos. Na prática, ele é como uma máquina de cartão virtual, mas o comerciante precisará se filiar aos bancos.

O intermediador de pagamentos também faz essa conexão com os bancos, além de realizar a análise de risco nas transações e oferecer maior proteção contra outras inseguranças, como o chargeback ― um tipo de ação fraudulenta.

Na prática, o gestor se afilia à rede intermediadora, que fica responsável por verificar os dados do comprador, receber os pagamentos e passá-los ao lojista.

É importante se lembrar de que muitos ataques acontecem com o intuito de roubar dados pessoais e bancários dos clientes ou gestores, justamente nesse momento do pagamento. Então, buscar proteção é fundamental.

Tenha boas senhas

Os sistemas de acesso nos computadores e plataformas precisam contar com senhas que garantam ou, no mínimo, diminuam bastante a possibilidade de serem descobertas por um intruso.

As boas práticas digitais recomendam que as senhas tenham letras maiúsculas, minúsculas, números e que não sejam intuitivas de serem desvendadas. Por exemplo, sequências numéricas, como “1234”, ou de letras do teclado, como “qwerty” devem ser evitadas. Da mesma forma, não é recomendado usar informações que remetam à identificação do comércio ou do gestor.

Atualize a plataforma

Boas plataformas trazem algumas tecnologias que ajudam a afastar invasões hackers e fraudes. Investir em uma que ofereça ao comerciante essas facilidades tende a ser uma das melhores estratégias a fim de evitar fraudes e roubos de informações.

No entanto, é importante se certificar de que a plataforma esteja com as atualizações em dia. Algumas fazem esse trabalho de forma automática, mas outras precisarão que o comerciante realize alguns procedimentos de forma manual.

Exija certificados de segurança

A empresa que você contratar para fornecer o meio de pagamento online precisa dar todas as garantias de segurança necessárias para uma operação eficiente — tanto na transação quanto no armazenamento e gerenciamento de dados sigilosos de clientes, parceiros e fornecedores.

Esses certificados vão apontar, por exemplo, se a fornecedora está preparada para lidar com ataques cibernéticos e indicar o tempo de resposta a uma crise. Também é importante que ela ofereça um bom serviço de suporte atrelado ao contrato, com ferramentas de contato direto para qualquer questão — desde uma simples dúvida operacional até o acionamento de planos de resolução.

Invista em selos de segurança

Existem empresas que fornecem selos de sites seguros. Para tanto, elas precisam realizar uma análise de vulnerabilidades e brechas a fim de se certificarem de que o e-commerce esteja apto para recebê-los.

O Site Blindado, por exemplo, faz uma inspeção minuciosa na página. Entre os serviços oferecidos estão:

  • maior proteção contra invasores;
  • certificado SSL para assegurar informações em tráfego;
  • filtro de tráfegos suspeitos;
  • testes que o lojista pode fazer para descobrir possíveis falhas.

Assim, além de deixar o cliente mais confiante em adquirir um produto, o próprio e-commerce tem mais controle sobre possíveis falhas.

Use criptografia para a transmissão de dados

Uma parte crucial da segurança fornecida é o uso de criptografia para a transmissão de dados, tanto nos servidores quanto na execução de processos dentro da ferramenta. O exemplo acima do selo do Site Blindado é apenas uma das opções, mas existem outras formas de criptografar dados e obter um certificado SSL.

Esse certificado é um exemplo comum de protocolo criptografado que pode blindar a sua empresa. Com uma boa proteção desse tipo, mesmo que um criminoso intercepte dados durante uma transação, ele não terá como visualizar essas informações.

Integre sistemas de segurança

Mesmo que você escolha o melhor meio de pagamento online disponível, ainda é possível aprimorar a segurança das transações financeiras em seu sistema.

Ferramentas de proteção firewalls, antivírus, antimalware e módulos de monitoramento do fluxo de dados são importantes para identificar qualquer anomalia antes que ela se torne, de fato, uma ameaça.

Treine os funcionários que operam o sistema

A segurança de um sistema depende muito da capacidade dos profissionais que lidam com ele. A maioria dos ataques hackers não usa força bruta para acessar a rede corporativa, mas tem como ponto de partida um descuido ou uso inadequado da ferramenta por parte do usuário.

É sempre recomendável investir um pouco mais no treinamento desses funcionários para que eles possam operar o meio de pagamento da forma adequada, gerenciar os dados de clientes e gerar relatórios relevantes para o acompanhamento da performance do sistema — visando produtividade e segurança.

Dependendo do tamanho do empreendimento e das possibilidades financeiras e logísticas, vale a pena ter um profissional da área de TI e segurança para avaliar possíveis brechas e tentar coibir ações suspeitas.

Além disso, é importante que uma pessoa fique responsável por monitorar comportamentos estranhos de consumidores, como o uso de cartões clonados, CPF roubado e compras feitas em grande quantia financeira.

Tenha um controle de todos os clientes que adquirem os produtos para aprimorar essa avaliação.

Tenha um plano de contingência

Falamos sobre a importância de um meio de pagamento definir planos de segurança em casos de ataque e também de contar com pessoas que possam ajudar na captação de ações maliciosas. Assim, quando qualquer problema for identificado, todos os departamentos precisam saber como agir e quais etapas devem seguir para:

  • garantir a disponibilidade do serviço oferecido pelo negócio;
  • recuperar informações necessárias para a operação, caso haja perda de dados;
  • identificar a origem do ataque e sua contingência;
  • acionar o meio de pagamento e instituições bancárias para evitar o roubo de recursos.

Todas esses passos dependem da natureza e do objetivo do ataque hacker, mas exigir da sua equipe de TI um planejamento de desastres dará a você muito mais segurança para usufruir de uma plataforma de pagamento com modelo recorrente.

Esteja atualizado

De vez em quando, alguns casos a respeito de invasões hackers saem nos noticiários. Além disso, produtos e serviços de segurança estão cada vez mais sendo aprimorados a fim de entregar soluções seguras para quem trabalha no ambiente virtual.

Assim, esteja sempre atento aos acontecimentos para tentar se proteger e não cair em truques maliciosos. Também avalie se as novidades lançadas podem ser melhores que as atuais que sua empresa tem.

Dê atenção à Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais

A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) é uma norma que foi sancionada em 2018 e terá que ser, obrigatoriamente, seguida por todos que realizam algum tipo de transação online.

A lei visa a segurança dos dados de usuários e impõe algumas regras a e-commerces ou outras empresas virtuais. Por exemplo, é um dever deles que invistam em meios para garantir a proteção no tratamento de dados dos consumidores. Além disso, terão que avisar a todos caso informações sejam acessadas por hackers. O não cumprimento ocasiona sanções e multas.

Casos famosos de ataque hacker

Então, como mencionado no tópico anterior, ataques hackers de vez em quando fazem parte dos grandes noticiários. Acompanhe alguns conhecidos.

Netshoes

Não são apenas empresas pequenas que estão sujeitas a ações maliciosas. No início de 2018, o comércio virtual Netshoes sofreu um ataque cibernético, o que resultou na divulgação de alguns dados de clientes.

A empresa precisou fazer uma grande apuração, contratando especialistas em proteção e reforçar os meios de segurança implantados.

Stuxnet

Essa invasão foi realizada em 2010 por meio de um vírus, o Stuxnet, que tinha a finalidade de atacar o SCADA, sistema operacional que controlava as centrífugas nucleares do Irã.

Foi considerado, na época, como o ataque mais sofisticado da história. Ele descobria falhas no sistema e conseguia controlar comandos nas centrais de automação das usinas nucleares.

Infecção do WannaCry

Em 2017, milhares de sistemas em todo o mundo, foram infectados e sequestrados pelo WannaCry. Esse malware conseguiu bloquear computadores, que só podiam ser liberados após o pagamento de um resgate.

Instituições famosas, como FedEx, Nissan, Renault, TJSP e o Hospital Sírio-Libanês, figuraram entre as vítimas da invasão.

Vazamentos da Sony

A empresa sofreu dois ataques em datas próximas: 2011 e 2014.

No primeiro, hackers derrubaram o sistema e roubaram dados de 77 mil usuários, o que rendeu a ela muitas reclamações e processos na justiça. No segundo, os invasores conseguiram informações de funcionários e executivos.

Ataque DDos na Dyn

Um ataque DDos acontece quando hackers conseguem simular tráfego de dados e, assim, sobrecarregar o servidor. A consequência é que o sistema saia do ar, o que causa enorme perda.

Em 2016, conseguiram invadir os servidores da empresa Dyn, que é responsável por operar serviços de DNS. Todos os seus clientes foram prejudicados, ficando fora do ar também. Entre eles estão: Netflix, Amazon, PayPal, Spotify, Xbox Live, além de vários outros sites americanos.

Segurança como uma preocupação constante

Para garantir um serviço sempre disponível para o público, pagamentos seguros e dados protegidos, a segurança deve ser uma preocupação desde o planejamento, passando pela execução até a preparação para o futuro.

Então, que tal começar agora? Se você está pesquisando o melhor modelo para suas cobranças recorrentes, inclua a segurança como prioridade e exija informações sobre o assunto dos fornecedores em potencial. Estude muito bem sua estrutura, seu contrato e pense em como a sua empresa pode se preparar para aproveitar a solução ao máximo e sem sustos.

Ataques hackers, como você viu, podem acontecer com qualquer tipo de empresa. Porém, o gestor que investe em meios para se proteger das ações maliciosas tem mais chances de conseguir garantir segurança ao próprio empreendimento e aos clientes. Lembre-se dos casos reais de invasão apresentados aqui e tome a decisão mais estratégica para o seu negócio.

Gostou das informações neste conteúdo? Então, você não pode deixar de assinar a nossa newsletter para ficar sempre por dentro de conhecimentos importantes no mundo dos negócios! Vamos lá!

100.000 pessoas não podem estar enganadas Deixe seu email e receba conteúdos antes de todo mundo